Reportagens

Área protegida pede socorro

Ìndios da Terra Indígena Kayabi, gigante que protege um milhão de hectares de Amazônia, apelam para conclusão de demarcação. Desmatamento e licenciamento de hidrelétricas correm soltos.

Redação ((o))eco ·
19 de outubro de 2009 · 13 anos atrás

Contígua ao Parque Nacional do Juruena, a Terra Indígena Kayabi garante a proteção de uma das últimas grandes porções de floresta amazônica na rota do desmatamento, entre Mato Grosso e Pará. São mais de um milhão de hectares sob proteção. Mas as invasões e destruição ilegais têm sido tantas que os índios da aldeia Kururuzinho divulgaram uma carta pedindo intervenção da sociedade civil para que o processo de demarcação da área, reconhecida em 2002, seja finalmente concluído. Ele está parado desde 2004, devido a um agravo de instrumento emitido pelo Trubunal Regional Federal e Justiça Federal de Cuiabá, que desconsideram a importância da área. A situação só poderá ser revertida se a procuradoria de Justiça da Funai se mexer, o que ainda não dá sinais de que vá acontecer. Até agora, 29 mil hectares de floresta já foram destruídos na terra indígena.

A não delimitação da terra indígena é conveniente a interesses minerários, de expansão da fronteira agrícola e especialmente de construção de usinas hidrelétricas numa região tão rica em cursos hídricos e tão cercada por unidades de conservação. Pelo menos duas usinas de grande porte estão sendo licenciadas pelo Ibama a poucos quilômetros da Terra Indígena Kayabi. Uma delas é a UHE Teles Pires, com potência instalada de 1.820 MW, localizada numa belíssima sequencia de corredeiras que é conhecida como Sete Quedas, e um reservatório de 40 km de comprimento. A outra é a UHE São Manoel, com 750 MW e uma barragem de 914 metros de extensão. A Empresa de Pesquisa Energética, responsável pelos dois projetos, ainda não apresentou estudo de impacto ambiental para os empreendimentos. Não existem informações sobre a presença da Terra Indígena Kayabi na região de interesse de construção das usinas, de acordo com dados sobre o licenciamento ambiental, do Ibama.

Leia a carta na íntegra.

Leia também

Notícias
20 de maio de 2022

Alto custo é principal barreira para visitação de parques

De acordo com estudo, alto custo da viagem, distância e falta de informações disponíveis são os principais obstáculos para visitação de parques naturais

Notícias
20 de maio de 2022

Presidenciáveis recebem plano para reverter boiadas ambientais de Bolsonaro

Estratégia ‘Brasil 2045’ propõe medidas para reconstruir política ambiental brasileira e fazer país retomar posição de liderança global em meio ambiente

Análises
20 de maio de 2022

O dilema de Koniam-Bebê

Ocupação indígena no Parque Estadual Cunhambebe realimenta falsa dicotomia entre unidades de conservação e territórios indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Cássio Garcez diz:

    Brilhante análise, Beto. Parabéns e obrigado por ela.