Análises

Curitiba e o mito da cidade modelo

Redação ((o))eco ·
13 de outubro de 2011 · 10 anos atrás

Dennison de Oliveira Editora UFPR O livro é de 2000, então está bastante desatualizado, mas serve como referência importante sobre a história da urbanização de Curitiba. Ajuda a pensar em como a imagem fácil de cidade modelo é limitada e a entender a influência de diferentes grupos privados na formatação do espaço público. É leitura acadêmica, repleta de referências e detalhes da política local, e até, por isso, um pouco chata. Absolutamente necessária, porém, especialmente para quem estuda urbanismo e busca referências e modelos. Dá para comprar o livro clicando aqui. Leia abaixo relato sobre quando Jaime Lerner resolveu colocar em operação o novo sistema de ônibus de Curitiba:
“Quando o projeto finalmente ficou pronto, logo se tornou óbvio que profundas mudanças deveriam ser feitas tanto na forma como o poder público gerenciava o transporte coletivo quanto na maneira como os empresários o exploravam. Conseqüentemente, não foram poucos nem pequenos os atritos entre as partes. Para começar, o conceito de uma linha de ônibus ininterrupta que corresse ao longo de todo o eixo-estrutural norte-sul era inaceitável para os empresários. É que ele violava o conceito de área seletiva, atravessando áreas que eram exploradas por empresários diferentes. Ocorre que a divisão dessas áreas, feita vinte anos antes, foi realizada de forma mais ou menos arbitrária: tratava-se de uma série de raios que partiam todos do centro da cidade que, correndo mais ou menos ao longo das ruas disponíveis, dividia a cidade de forma semelhante a um gráfico de pizza. Ora, esse conceito fazia sentido naquela época, quando se tratava da municipalidade garantir a todas as empresas um pedaço do centro e um pedaço da periferia. Mas era de todo inadequado para um sistema de transporte que se dispunha a integrar os pontos extremos da cidade.” Trecho do livro, páginas 139 e 140

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta