Colunas

A história da minha paixão por cavernas

Cheguei à fotografia através do curso de espeleologia. Foi dentro das cavernas que comecei a aprender os mistérios da sombra e da luz

8 de novembro de 2012 · 10 anos atrás
  • Adriano Gambarini

    É geólogo de formação, com especialização em Espeleologia. É fotografo profissional desde 92 e autor de 14 livros fotográfico...

Salão Nirvana, na Caverna de Santana., SP Uma pequena pausa para fotografia durante mapeamento, em 1992. Foto: Adriano Gambarini.

Nasci numa família de viajantes. Os anos eram divididos entre viagens de fim de semana e as tão esperadas férias de verão, onde os dias eram desenhados na janela do carro, pelas estradas do Brasil afora, e vividos em acampamentos em praias desertas.

Entre os caminhos percorridos em busca de lugares desconhecidos, montanhas e vales, certo dia nos deparamos com a Caverna do Diabo. Minha visão juvenil foi para sempre marcada por salões altíssimos e fartamente ornamentados por pontas rochosas e assustadoras, fazendo jus ao nome do lugar. Mas ironicamente, enxerguei ali um toque ludicamente divino.

O tempo passa, a vida prega peças e tira outras; não saberia dizer se aquele primeiro encontro com o misterioso universo subterrâneo contribuiu para minha escolha intelectual, o fato é que enveredei pelos estudos de Geologia na Universidade de São Paulo, lá pelos idos de 1987.

No ano seguinte, conheci o Prof. Ivo Karmann e colegas de faculdade unidos por um único assunto: cavernas. Como um dejá vu que jamais havia acontecido, reencontrei todos aqueles cenários cavernícolas de outrora, agora sob a ótica das pesquisas e mapeamentos. Um universo de perguntas e estudos se descortinava perante nós. E foi neste contexto que comecei a me interessar por fotografia, principalmente na tentativa de registrar os detalhes das formações e as dimensões dos salões.

Com uma câmera FM2, uma lente fixa e um flash, me embrenhei pelos mistérios da luz e da sombra. De cara, percebi que o conhecimento espeleológico adquirido nas inúmeras viagens pelo Vale do Ribeira seria imprescindível para entender a dinâmica da luz que imprimia o filme, e como ela reage diante dos diferentes tipos de calcário que compõem cavernas e suas formações minerais.

Tomei gosto pelo processo alquímico de iluminar aquela escuridão absoluta. Aliás, gostei tanto desta arte que transita entre o documento e o conceitual, que, em 1992, me tornei fotógrafo, logo depois de finalizar o curso de geociências.

De lá para cá, entre expedições científicas aos confins amazônicos ou à busca perseverante por nossa fauna ameaçada, sempre que pude voltei às origens. Acompanhei explorações e mapeamentos nas mais distantes cavernas e, nos últimos anos, segui o caminho dos obstinados pesquisadores de animais cavernícolas.

Não consigo dissociar minha trajetória profissional da minha formação espeleológica. Para homenagear este fantástico mundo subterrâneo, aqui estou, com essa história e essas imagens, abrindo um série de artigos sobre cavernas em ((o))eco.

Leia também

Notícias
8 de agosto de 2022

Por falha no processo, extinção do Parque Estadual Cristalino II é anulada (por enquanto)

Três dias após ter decidido pela extinção, Justiça de Mato Grosso mantém validade do decreto de criação da unidade. Certidão de "trânsito em julgado” foi tirada da ação

Reportagens
8 de agosto de 2022

Empresa que disse cancelar usina próxima à área da ararinha-azul mantém estudos para licenciamentos

O levantamento para um parque eólico e a autorização para uma usina fotovoltaica ainda constam em sistema de órgão ambiental baiano

Notícias
5 de agosto de 2022

Países pobres receberam só 8% do financiamento climático

Relatório da OCDE mostra que nações ricas ficaram US$ 17 bi abaixo da meta de financiamento para 2020 e 70% do recurso foi empréstimo

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta