Salada Verde

Kátia Abreu: ataque ao Código Florestal

Em encontro com ministro da Agricultura, senadora e presidente da CNA volta a dizer que averbação de reserva legal até junho é "filme de ficção".

Redação ((o))eco ·
15 de fevereiro de 2011 · 13 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
Katia Abreu e ministro Wagner Rossi (foto: Agência CNA)
Katia Abreu e ministro Wagner Rossi (foto: Agência CNA)

A presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), senadora Kátia Abreu (DEM-TO) discutiu nessa segunda-feira, dia 14, a necessidade da aprovação do novo Código Florestal com o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Wagner Rossi.

No encontro, a senadora detalhou ao ministro um estudo que mostra o crescimento das áreas florestais em terras particulares. O levantamento feito pela CNA, a partir de dados de Censos Agropecuários realizados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostra o aumento das áreas produtivas entre 1960 e 2006: 32,1%, de 249,8 milhões de hectares para 329,9 milhões de hectares. Já as áreas de mata e floresta dentro das propriedades rurais, o crescimento foi de 72,5%, de 57,9 milhões para 99,9 milhões de hectares.

Segundo o estudo, dos 329,9 milhões de hectares de áreas privadas, quase 100 milhões de hectares estão cobertos por matas e florestas. “Em 46 anos, o crescimento das matas e florestas localizadas dentro de áreas privadas foi mais do que o dobro, em termos proporcionais, do crescimento geral registrado das áreas privadas. Estamos totalmente inseridos no processo de melhoria das condições das matas ciliares, protegendo a água e todas as encostas que estiverem ferindo os aquíferos e rios subterrâneos, porque estas são nossas fontes de vida”, argumentou a senadora. “Não precisamos de mais desmatamentos. Com a área que temos hoje é possível triplicar a produção de grãos e quadruplicar a produção de carne”, afirmou a Senadora, segundo comunicado distribuído pela CNA.

Segunda ela, a revisão do código florestal proposta pelo deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) vai garantir a continuidade da produção agropecuária nacional e legalizar a atividade desenvolvida por 90% dos produtores rurais que estão em áreas já consolidadas, aumentando assim a segurança no campo.

A presidente da CNA disse ao ministro que as regras do Decreto 7.029, de 2009, entram em vigor em junho deste ano, depois de vários adiamentos. O texto estabelece que só terão acesso ao Sistema Nacional de Crédito os produtores rurais que averbarem a reserva legal ou aderirem ao Programa Mais Ambiente, criado pelo governo federal para regularização de propriedades rurais.

Abreu argumentou que aderir ao programa ou averbar a reserva legal é um “filme de ficção”, pois a burocracia impede que o processo seja concluído. Só no Mato Grosso, há mais de cinco mil processos de produtores que querem o fazer georreferenciamento de suas propriedades, mas que não conseguem legalizar a situação de suas fazendas.

Após o encontro com a presidente da CNA, o ministro Wagner Rossi afirmou que a expectativa é que o relatório do deputado Aldo Rebelo (PCdoB- SP) seja votado no Plenário da Câmara dos Deputados em março. Para o ministro, é necessário eliminar qualquer tensão que possa comprometer a atividade no campo. Em últimas declarações, o ministro também tem atacado as restrições de crédito que podem emergir com o não cumprimento do Decreto 7029 (Daniele Bragança)

Leia também
Gritaria Ruralista para rebaixar a lei
Katia abreu ganha motosserra de ouro
Anistia é com Carlos Minc

Vídeo – Discurso de Katia Abreu  sobre Código Florestal no Senado na segunda dia 14


Leia também

Notícias
24 de julho de 2024

Portão do Inferno, um risco para o país

Governo de MT sinaliza que aguardará fim do Festival de Inverno para iniciar desmonte de parte do paredão do Parque da Chapada dos Guimarães. ICMBio diz que obra pode inviabilizar funcionamento da UC

Salada Verde
24 de julho de 2024

A gangorra climática das árvores da Mata Atlântica

Pesquisa inédita aponta que as plantas estão subindo ou descendo montanhas em busca de temperaturas mais amenas

Notícias
24 de julho de 2024

Empresas ainda veem com ceticismo a “Lei Rouanet da Reciclagem”, recém regulamentada

Como obstáculos, instituições representativas do setor mencionam pouca transparência e dificuldade de acesso aos recursos anunciados, além de ausência de toda a cadeia produtiva

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.