Notícias

Governo diz que aumento de fiscalização freou desmatamento

Izabella Teixeira apresenta novas medidas de combate ao desmate ilegal. Força Nacional terá grupo especial para fiscalizar Amazônia

Daniele Bragança ·
10 de outubro de 2012 · 9 anos atrás

Mudou a forma como ocorre o desmatamento no Brasil. Em vez de grandes áreas desmatadas, os infratores estão preferindo fazer o chamado desmatamento “escadinha”, retirada de árvores sem abrir clarões na floresta, detectáveis pelo satélite usado pelo INPE para alertar o Ibama que, em seguida, pune o desmatador. Por isso, ontem (09), a ministra Izabella Teixeira convocou uma coletiva de imprensa na tarde para anunciar novas medidas no controle do desmatamento.

A primeira das 5 medidas anunciadas é a fiscalização ostensiva durante todo o ano, “mesmo com chuva”, afirmou Izabella. A Força Nacional de Segurança fará o serviço. Pelo atual modelo de fiscalização, as ações de repressão acontecem apenas no período de seca, de abril a setembro. Isso, segundo a ministra, mudou.

Foi anunciado a criação da Força Nacional de Segurança Ambiental, um batalhão voltado exclusivamente para combater o desmatamento na Amazônia. O número de homens deslocados para a ação é sigiloso por motivos estratégicos, disse Izabella para justificar a ausência de mais informações. A Força Nacional trabalhará junto com as Forças Armadas e o Ibama na fiscalização ostensiva e permanente.

“Mudou todo o arranjo de inteligência ambiental e de ação coordenada das entidades federais. Vamos trabalhar com o Exército, Marinha e Aeronáutica. Vamos contar com a inteligência militar”, disse a ministra.

Amanhã sai no Diário Oficial decreto para disciplinar as medidas que já estão em prática desde agosto, quando o número do desmatamento soou o alarme vermelho, pois aumentou 220% em relação ao mesmo mês de 2011.

Pelos dados divulgados hoje, em setembro o desmatamento aumentou 11% em relação ao mesmo mês de 2011, ou 282 km2 contra 254 km². Melhor que agosto, quando o desmatamento cresceu  foi de 522 km2, 45% menor do que a taxa do mês anterior.

O governo apresentou uma mudança na forma de apresentar os dados. Pela primeira vez, eles foram divididos entre corte raso e degradação. Essa qualificação nos dados já é feita nas avaliações mensais ou bimestrais do Deter desde 2008. Porém, como a divulgação dos dados brutos é feita antes dos relatórios de avaliação, são esses os dados tornados públicos. Ontem, o MMA divulgou os dados com a qualificação. Do total de setembro, 63% do desmatamento refere-se ao corte raso. E os demais 37% envolvem degradação florestal, o que inclui queimadas. “Dos 522 quilômetros quadrados em agosto, 40% estão associados a desmatamento [corte raso] e 60% a degradação, que inclui queimadas. É um período atípico, com intensificação de queimadas pela seca”, explicou a ministra.

Pequenas discrepâncias nos números dos estados em agosto

O PDF com a divulgação dos números do desmatamento tem discrepâncias com os dados do INPE. Nos números divididos pelos estados, há diferença. No Pará, por exemplo, em agosto houve 227,82 km² de desmatamento. Na apresentação do MMA, a área desmatada é de 212,9 quilômetros quadrados.

Segundo os números do MMA, em setembro a área desmatada no Pará foi de 36,8 quilômetros, uma redução de 83%.

O pico do desmatamento em agosto – que o governo só admitiu hoje mas que ((o))eco já noticiou em setembro – serviu para planejar as ações de fiscalização do Ibama, que lançou a operação Soberania Nacional para combater a aumento do desmatamento. Entre agosto e setembro, o Ibama autuou 226 propriedades com multas que totalizam 216,3 milhões de reais em multas, e embargou 30,4 mil hectares. O volume de madeira apreendida foi de 4,4 mil metros cúbicos em madeira serrada e 10,6 mil em toras.

Veja dados do desmatamento de setembro no mapa interativo InfoAmazonia


*Editado em: 10/10/2012 – às 17h

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
28 de janeiro de 2022

‘Nós não negamos nem desprezamos as causas das mudanças de clima’, defende-se Xico Graziano

Em pedido de resposta, engenheiro agrônomo Xico Graziano, membro do núcleo de campanha de Sergio Moro, diz que candidatura é aliada na luta em defesa do futuro sustentável

Salada Verde
28 de janeiro de 2022

Filhote de onça se esconde em motor de caminhonete, veja vídeo

Onça cutucada com vara curta contraria dito popular e apenas foge. Filmagem tem sido compartilhada em grupos e nas redes sociais. Não se sabe a origem do vídeo

Notícias
28 de janeiro de 2022

Cientistas pedem que países europeus e China boicotem soja e carne brasileira

Em artigo, os pesquisadores denunciam a nova alta de desmatamento na Amazônia e pressionam os países a pararem de comprar soja e carne bovina brasileira

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Manoel diz:

    Ou seja… os desqualificados nem escondem que a questão é política. Querem ajudar a quebrar o Brasil de qualquer jeito. E o melhor de tudo é apelaram pra China, como se não fossem os maiores poluentes do mundo. Infelizes…